MJMoonwalker
Seja Bem vinda(o) ao fórum MJMoonwalker , para visualizar os nossos tópicos faça login ou inscreva-se.
Dispomos de uma grande variedade de material sobre o King of pop, desde Downloads, Notícias até a uma galeria de fotos de todas as épocas da vida do astro.

MJMoonwalker

Se vocês precisarem de sinônimos para as palavras – talento, carisma e genialidade não procurem um dicionário. Apenas digam um nome: Michael Jackson
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Relatos de quem conheceu Michael Jackson

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: Relatos de quem conheceu Michael Jackson   Qui Jan 20, 2011 10:19 am

Créditos: Blog MJ fotos e fatos

Relatos de uma jornalista: Jacko Ou Michael?




Olá!
Bem, como devem saber, esse blog contém textos de fatos sobre o Michael. Antes de postar, pesquiso as fontes. Nesse post, há dois textos sobre uma mesma história. Achei uma foto num site sobre o Michael, onde descobri que a moça abraçada com ele é uma jornalista, chamada Fiona Cummins. Como no tal site, o relato da moça estava resumido, botei seu nome no Google para encontrar o completo. A Fiona fez duas “versões”, uma ainda em 2006 e outra, em 2009, ainda no dia 25 de junho, ambas para o jornal Daily Mirror. Achei “interessante” a diferença dos textos, já que, no primeiro, apesar de não ser tão agressiva quanto outros jornalistas eram em relação ao Michael, Fiona usa bastante o termo Jacko, o qual todos os fãs do Rei simplesmente ABOMINAM. Já o segundo texto é muito mais detalhado e, quem sabe, até delicado e romântico. Não quero julgar ninguém – já fizeram isso demais com o Michael e cabe aos verdadeiros fãs NÃO repetirem o ato, mesmo que numa dose reduzida, com quem quer que seja, já que provamos o gosto amargo de ver, por anos, nosso ídolo difamado e agredido por tantas pessoas -, mas é interessante ver como as pessoas só dão valor a alguém quando o perdem. Boa leitura.

Texto 1.

Michael Jackson Exclusivo: O homem… E o espelho

Por Fiona Cummins, 25/06/2006



Com um aperto de mão surpreendentemente firme – e um abraço totalmente inesperado – foi assim que a lenda do pop, Michael Jackson, me concedeu uma entrevista exclusiva.

O cantor estava em clima de festa, ontem, quando nos reunimos na sede da Harrods em Londres, propriedade do seu amigo próximo Mohamed Al Fayed.

Ele chegou às 13:05, sem alarde, sem guarda-costas, sem comitiva – e apenas um vestígio de maquiagem.

Essa foi sua primeira entrevista cara-a-cara desde que foi absolvido da acusação de abuso infantil no ano passado – e eu não tinha certeza do que esperar.

Mas Jacko – que muitas vezes passa a impressão de que prefere manter as pessoas à distância de um braço – cumprimentou-me como um velho amigo.

Com um largo sorriso, ele me estendeu a mão, em seguida, jogou seus braços em volta de mim, espalhando sobre mim o cheiro de seu perfume adocicado.

Ele parecia totalmente diferente da figura magra, encurvada que emergiu pesando apenas seis pedras no final de seu julgamento nos EUA ,em junho do ano passado.

E a estrela de 47 anos de idade estava mais do que feliz em conversar após finalmente sair do seu exílio auto-imposto, no Bahrein.

Ele parecia relaxado quando falou sobre a reconstrução de sua carreira manchada e seus planos para criar uma nova Neverland na Grã-Bretanha. Ele disse: “Estou aqui em Londres a trabalho por alguns dias, eu amo isso aqui.. Eu estou procurando um lugar para morar. Sempre gostei do Reino Unido e adoro os fãs daqui”.

Michael sorriu e acrescentou: “Eu também estou visitando meu grande amigo Mohamed – Porque ele é O homem”.

Jacko agendou uma série de reuniões de negócios no Reino Unido e vai dar uma olhada muma propriedade de luxo em torno da capital.

Ele também planeja visitar lugares na Escócia e na Irlanda, numa tentativa de recriar o parque de diversões da Califórnia que já foi seu santuário.

Perguntado sobre sua saúde, Jacko insistiu: “Eu estou bem – muito bem obrigado, eu estou me sentindo bem”. Ele diz que também está trabalhando em um novo álbum – o primeiro desde Invincible, em 2001.

Então, com um gentil tapinha nas costas, disse adeus e seguimos nossos caminhos diferentes.

Quando saí para pegar o metrô de volta para o escritório, ele se dirigia para sua limusine com motorista, e eu ainda podia sentir o leve aroma de seu perfume na minha mão.

E acho que pude ter presenciado os primeiros passos da saída de Jacko das sombras.



Fonte: http://www.mirror.co.uk/celebs/news/2006/05/25/michael-jackson-exclusive-the-man-and-the-mirror-115875-17128256/



Texto 2.

Eu e Michael Jackson: Quando conheci o Rei do Pop

Por Fiona Cummins, 25/06/2009.



Ainda me lembro de cada detalhe sobre a primeira vez que conheci Michael Jackson.

O cheiro de lavanda de sua pele, sua voz macia, o jeito que ele me abraçou espontaneamente, embora nunca tivesse me conhecido antes.

Enquanto me sento na minha mesa em casa e escrevo estas palavras, mal posso acreditar. O Rei do Pop está morto.

Jackson sofreu um ataque cardíaco fulminante em sua casa em Los Angeles, mas morreu quando chegou ao hospital. Ele tinha apenas 50 anos.

Numa ironia do destino, uma vida retirada antes que ele tivesse a chance de fazer sua tão esperada volta por cima e provar ao mundo que ele ainda era o Rei do Pop.

Ele era um enigma, Michael Jackson. Nunca conseguiu livrar-se das acusações de abuso infantil, embora tenha protestado veementemente sua inocência, mas um dos maiores artistas de todos os tempos.

Nós nos conhecemos no Harrods três anos atrás, quando ele foi visitar seu velho amigo Mohammed Al Fayed, e concordou em me conceder uma entrevista.

Eu conheci um monte de celebridades ao longo dos anos, mas nenhuma delas gostava muito do status lendário de Jacko, provavelmente o homem mais famoso do mundo.

Excepcionalmente, eu estava muito nervosa e não completamente certa sobre o que esperar. Eu tinha lido histórias sobre como suas cirurgias plásticas deram errado, sobre sua obsessão com máscaras, a síndrome de Peter Pan de um menino preso em corpo de um homem, então foi uma surpresa ser recebida com um aperto de mão surpreendentemente firme e um sorriso agradável.

Na verdade, ele usava apenas um vestígio de maquiagem e esbanjava simpatia, atirando os braços musculosos em volta de mim em um abraço de boas-vindas.

Nós conversamos por alguns minutos e ele estava atento, interessado e interessante.

Eu sabia, desde então, que quando ele finalmente voltasse ao palco, seria para dar o show de toda uma vida.

Michael nunca teve medo do trabalho duro e, quando ele começava algum projeto, dava tudo de si.

Os detalhes completos da sua morte sairão no momento oportuno, mas sabendo o que sei sobre esse homem, temo que ele tenha colocado seu corpo através de um sistema de punição e não havia nenhuma maneira que pudesse lidar com a tensão.

Ele não fez as coisas pela metade, você vê. Ele queria provar que ainda podia cantar e dançar como há 25 anos atrás.

Mas agora ele nunca vai fazer o retorno triunfante aos dias de glória que todos estávamos esperando.

O mundo perdeu uma de suas estrelas mais brilhantes, a família Jackson perdeu o seu filho mais famoso e três crianças perderam o pai.



Fonte: http://www.mirror.co.uk/celebs/news/2009/06/25/me-and-michael-jackson-when-i-met-the-king-of-pop-115875-21471876/




Lembranças de Todd Gray






Em 1984, Michael me mostrou o seu cinema particular recém-terminado, com cadeiras de veludo vermelho. Eu achei que seu suéter azul dava um belo contraste com o vermelho escuro das cadeiras, e lhe pedi para se sentar e fingir que estava assistindo a um filme. “Que filme?”, ele perguntou. Eu disse: “Não importa. Qualquer filme que você quiser”, mas Michael insistiu: “Todd, você tem que me dizer que filme eu deveria estar vendo se você quiser uma boa pose de mim”. “Ok, Michael. Que tal uma comédia de Charlie Chaplin?”, eu sugeri. “Qual?” Michael me perguntou de novo. “Ele fez tantas, você sabe…”. Me deu um branco, mas, felizmente, meu assistente gritou, “Modern Times”, Michael respondeu: “OK, qual parte?”. Exasperado, eu disse: “Michael, é uma comédia, é só você rir!”. Já estava ficando tarde e estávamos todos cansados, mas Michael estava se divertindo com tudo isso. “Bem”, começou ele, “se você quer que eu ria, então você tem que me contar uma piada. Mas você disse que queria que eu agisse como se estivesse assistindo a um filme. O que é que você quer?”. Finalmente, desisti e fiz uma cara de palhaço bobo, que o fez rir muito!

Fonte: http://www.mjj2005.com/kopboard/index.php?showtopic=48445
Observação: Todd Gray foi o fotógrafo oficial de Michael por, aproximadamente, 10 anos.





Dona Remi compartilha suas lembranças de Michael






(Na foto, Dona Remi com Michael, em 1984)



[1984] A cozinheira brasileira, Remi Vila Real, conta como conheceu Michael Jackson

Eu conheci Quincy Jones em um jantar, eu cozinhava para algum outro músico. Ele amava a minha comida e me perguntou se ele poderia vir e fazer algo muito importante. Ele me disse que queria ser produtor de Michael Jackson, mas toda vez que convidava Michael para a sua casa, Michael nunca ia para comer. Ele me perguntou se poderia trazer Michael para provar alguns dos meus pratos. Ele disse que Michael era vegetariano e muito exigente com o que comia. Eu disse que iria tentar.
Fui à casa de Quincy e lá eu conheci Michael pela primeira vez. O puxei de lado e falei: “Deixe-me lhe fazer algo bem especial. Eu sei preparar comidas saudáveis do Brasil. Tudo natural, tudo vegetariano. Você vai gostar.”. Ele concordou. Então, fiz feijão preto, couve, farofa e algumas outras coisas e ele comeu quatro pratos cheios!
Quincy me beijou durante toda a noite e, a partir daí, me chamou várias outras vezes para cozinhar para ele.
Eu estava morando em West Los Angeles em um pequeno apartamento, quando eu recebi um telefonema. A pessoa no telefone me pediu para olhar para fora. Ele disse: “Vê a limosine? Entre nela agora”. Eu lhe disse que não podia porque estava cuidando de uma pessoa e não podia deixá-la sozinha em casa. Eles disseram que mandariam alguém para cuidar da pessoa pediram para que eu entrasse no carro. Eu lhes disse que tinha que trocar de roupa, já que estava toda suja por causa da faxina na casa. Eles não se importaram. Finalmente, eu concordei quando um homem chegou para cuidar da pessoa que estava em minha casa, e eu fui levada para um grande prédio em Beverly Hills. Fui até a cobertura, encantada com tanto luxo.

O homem do outro lado da mesa me entregou um papel e disse: “você está indo para o aeroporto agora. Aqui está a sua passagem”. Então, lhe perguntei porquê estava indo viajar. Ele me explicou que Michael Jackson estava tendo fortes dores no estômago e, especificamente, me convidou para ser sua “nutricionista” durante a turnê “Victory”. Ele estava se sentindo mal do estômago e se recusou a entrar no palco até que eles me mandassem para ser sua cozinheira particular. Estavam todos muito nervosos. Eles disseram que estavam perdendo milhões de dólares em shows cancelados e eu tive que ir imediatamente.
Eu lhes disse que não podia e só poderia ir na parte da manhã. Depois de muita discussão, eles concordaram em me deixar ir para casa e me pegaram em casa no início da manhã do dia seguinte. Então, lá estava eu, viajando para Birmingham, Alabama.
Passei oito semanas com Michael e sua família na estrada durante a turnê. Foi uma viagem incrível que nunca esquecerei.
Michael e eu nos tornamos amigos e eu o vi várias vezes depois disso. Eu o visitei no hospital, quando seu cabelo pegou fogo e o via, vez ou outra, em shows e festas. Inclusive, eu até cozinhei para Michael Jackson e Elizabeth Taylor quando eles estavam sozinhos, na casa de Michael. Isso foi muito especial.

Fonte: http://www.mj-777.com/?p=5135


Super Michael!




2007 - Michael foi visto fazendo compras com seus filhos na Bic Camera, no Japão. Ele posou para fotos ao lado da estátua de tamanho real do Superman a pedido de seus filhos. Michael perguntou se a estátua estava à venda para levá-la para Neverland, e os funcionários da Bic ficaram felizes por vendê-la ao Rei do Pop. Infelizmente, a estátua do Superman foi uma das muitas recordações de Michael que foram leiloadas.

Fonte: http://love4mj.wordpress.com/page/4/





Jantando com Michael



Em março de 1992, Michael estava gravando seu novo vídeo-clipe, “In The Closet”. Pouco antes disso, a MTV fez uma grande promoção pelo mundo, cujo prêmio seria um jantar com Michael, vocês devem lembrar. A vencedora australiana do concurso foi Paula Katsikas. Aqui está a história de Paula:



(Na foto, Paula aparece, à direita, ao lado do marido, com outros vencedores da promoção feita pela MTV)



“Foi em março de 1992, ainda me lembro como se fosse ontem. Eles [a MTV] estavam estreando o novo clipe de Michael, “Remember The Time”, aqui na Austrália, assim como foi feito em todo o mundo, com a promoção da próxima turnê, “Dangerous”. Também foi feita uma competição, em que o vencedor e um acompanhante iriam aos Estados Unidos para jantar com Michael. A expectativa para esse clipe foi enorme e eu me lembro de ter assistido ao vídeo atônita, várias e várias vezes, espantada com o fato de que, quando você pensa que já viu tudo que há para ver de Michael, ele traz algo ainda mais brilhante do que antes!

Na noite seguinte, ainda na mesa de jantar, e enquanto anotava os últimos dados para o concurso de uma vida, uma competição que nada nem ninguém poderia me impedir de entrar, me lembro de virar para a minha família e dizer, ainda que um pouco céptica: “Só esperem e verão, eu vou ganhar isso!” O engraçado é que eu ganhei e nem sabia disso ainda!

Na segunda-feira seguinte, liguei para o meu trabalho para informar que não iria naquele dia, já que não estava me sentindo bem. Meu supervisor comentou alguma coisa sobre Michael Jackson, mas como eu estava indisposta, acabei não dando muita atenção e desliguei. Alguns minutos depois, recebi outra ligação do trabalho, de algumas garotas histéricas gritando no telefone: “Paula, você ganhou! Você ganhou!”. Precisei de mais dois telefonemas do meu trabalho e outros dois da MTV para acreditar que aquilo realmente estava acontecendo. Juro que, quando desliguei a última chamada, toda a vizinhança deve ter me ouvido gritar! Eles já sabiam que o vencedor da Austrália era eu, já que o resultado foi divulgado no sábado anterior, mas eu e meu marido estávamos num casamento e não pudemos ver TV naquele dia. Quer dizer, numa promoção dessas, você não acredita MESMO que vai ganhar. Enfim, cerca de uma semana ou duas depois, meu marido e eu estávamos indo rumo aos Estados os Unidos para jantar com Michael Jackson.

Fomos recebidos no aeroporto por uma limosine linda, e levados ao hotel La Belage, em Hollywood, onde nos encontramos com alguns representantes da MTV e os outros vencedores. Todos os 30 ganhadores e seus acompanhantes estavam lá. Eles [a produção da MTV] fizeram uma festa naquela noite para que todos nós nos conhecêssemos, e, na manhã seguinte, fomos de ônibus até o hotel Marriott Palm Desert, em Palm Springs, onde tivemos tempo de nos arrumar para que fôssemos, naquela noite, levados ao local do jantar para conhecer o Michael.

Nos levaram à um local secreto, onde Michael havia filmado algumas cenas para “In The Closet” durante o dia. Quando chegamos no set do vídeo para tirar fotos e conhecer o cenário, antes de Michael chegar, a sensação foi surreal! Eu vejo essas fotos hoje, depois assisto o clipe com Michael e Naomi, e ainda é difícil acreditar que cheguei a ir naquele mesmo local!



(Foto do cenário de In The Closet, tirada por Paula)



(Paula e os outros vencedores da promoção no set de In The Closet)


Havia um grande letreiro na entrada do local do jantar, e, quando chegamos ao restaurante, vimos que o clima era realmente de um carnaval tropical! Ficamos muito, muito animados naquela noite, vimos animais maravilhosos, como um elefante, um guepardo, um camelo, uma lhama, um chimpanzé, e um puma – que me fazia sentir que, a qualquer momento, se levantaria e se transformaria no Michael, como acontece em “Black or White” -, um mágico, cuspidores de fogo e dançarinos do Rio de Janeiro. O ambiente estava fantástico e Michael não poupou despesa! O lugar tinha sido criado como um restaurante com pequenas mesas redondas. Nós estávamos sentados à direita e, à nossa frente, havia uma mesa vazia, com um papel escrito “Reservada”. Para a nossa alegria, nos informaram que aquela seria a mesa do Michael!

Àquela altura do dia, já estávamos sendo esmagados pela emoção de imaginar que, a qualquer minuto, Michael entraria pela porta e se sentaria ao nosso lado. Nós mal podíamos nos conter e a agonia da espera estava nos matando! Lembro-me de irmos lá fora para esperar Michael chegar de helicóptero, mas logo fomos informados que tínhamos que voltar para dentro e nos sentar antes que ele chegasse. Voltamos ao restaurante, até que, finalmente, Michael apareceu na porta! Era como se a Terra simplesmente parasse. A mídia tem sido muito cruel, principalmente naquela época, afirmando Michael era estranho e esquisito, mas deixe-me dizer: eu não vi nada de estranho ou esquisito. Eu vi um homem bonito e bem vestido atravessar a porta, sendo incrivelmente educado e gracioso como sempre foi, e eu nunca vou esquecer aquele sorriso, que, de tão hipnotizante, chegava a me tirar o fôlego. Ele realmente parecia incrível! A única coisa estranha que me lembro é de como tudo parecia se iluminar quando ele passava e de como você simplesmente não conseguia tirar os olhos dele.

Michael cumprimentou todas aquelas pessoas e depois foi se sentar. Lembro de ter ido ao seu encontro com o meu marido, lhe dando um abraço e um coala (não de verdade, é claro), que ele colocou em seu colo e começou a dar tapinhas. A visão daquele momento era impagável! Nós lhe agradecemos o jantar e lhe perguntei se ele iria à Austrália em breve. Michael respondeu “sim” e disse que iria fazer alguns shows da turnê lá. Ele se referia à sua próxima turnê, “Dangerous”. (Os shows da “Dangerous Tour” na Austrália, posteriormente, foram cancelados, e tivemos que esperar até a turnê “History” para ver Michael novamente.) Eu tinha gravado na minha cabeça todas as coisas que iria dizer à ele, mas, quando estava na sua frente, as palavras simplesmente NÃO SAÍAM! Ele literalmente me deixou sem palavras.

Eu me lembro que Michael se levantou e foi dançar a Conga. Ele e Naomi foram puxados por um dos dançarinos cariocas e todo mundo entrou numa fila atrás deles. Lá estávamos nós, dançando a Conga com Michael Jackson… Não é algo que se faz todos os dias! Também me lembro de quando a produção chamou a gente para a sessão de fotos com Michael; de como meu marido, que foi posicionado diretamente atrás dele para as fotos, colocou as duas mãos nos ombros de Michael e as manteve ali, mesmo depois do fotógrafo ter dito para tirá-las. Michael apenas virou a cabeça e deu aquele sorriso adorável! Também me lembro de Michael se virando para nós, uma vez que as fotos tinham sido tiradas, agitando as mãos e inclinando a cabeça para nós, num gesto de reverência. Ali estava aquele grande astro, o maior entertainer do mundo, que permanecia com sua essência humilde. A única coisa que eu não me lembro sobre aquela noite, mesmo que tenha sido um jantar, é de ter comido qualquer coisa. Eu sei que havia muita comida lá, tudo preparado pelo chef pessoal de Michael, e me lembro de Michael dar a primeira colheirada para iniciar o jantar, mas não me lembro de ter comido uma só coisa. Acho que, pelo fato de o Michael estar tão perto de mim, comida era a última coisa que vinha em minha mente naquela noite.



(Michael, Naomi e os participantes da promoção dançando a Conga)



Era para Michael ter ficado no jantar apenas por meia-hora naquela noite, mas ele acabou ficando por cerca de duas horas e meia. Estas foram as duas melhores horas e meia da minha vida e que serão lembradas e valorizadas junto com Michael para o resto da minha vida.

Nós não estávamos autorizados a tirar fotos de Michael com nossas próprias câmeras, tinham nos dito que se fizéssemos isso, Michael provavelmente apenas se levantaria e iria embora, e ninguém queria isso. Acho que, desta forma, ele poderia relaxar mais um pouco e curtir a noite sem que se sentisse invadido pelos flashes dos chatos paparazzis, com câmeras constantemente em seu rosto. De qualquer maneira, a MTV nos enviou as fotos que foram tiradas e um rápido vídeo de Michael conosco. Freqüentemente, eu olho essas fotos e assisto ao vídeo para me lembrar que realmente aconteceu, que não foi apenas um sonho.

Michael pode ter sido tirado de nós fisicamente, mas ele está tão profundamente guardado no meu coração e no de meu marido que ninguém pode tirá-lo de lá sem arrancar nossos corações fora também.

Obrigada, Michael, por esta lembrança tão linda! Obrigada, Michael, por tudo o que você tem nos dado e por tudo o que você foi. Você sempre será amado e nunca será esquecido!”



Fonte: http://www.mjworld.net/features/dinner-with-michael/







Meu mentor, Michael Jackson






Eu costumava falar com Michael durante três horas por dia. Nunca descobri como ele conseguia arranjar tanto tempo, já que parecia tão ocupado, mas ele sempre me telefonava e nós conversávamos, conversávamos e conversávamos. Ele tinha um celular que usava para falar comigo e me mandar mensagens. Tudo isso fazia parte de uma amizade que durou mais de 20 anos.

Conheci o Michael quando ele estava começando a turnê Bad, em 1987. Eu tinha 5 anos nessa época, e a equipe de Michael organizou uma competição de dança em todos os países, então, eu decidi participar em Brisbane (*cidade australiana). Me lembro de dançar “Thriller” enquanto assistia ao clipe quando tinha apenas 2 anos de idade! A minha mãe tinha uma fita e, quando assisti, simplesmente enlouqueci! Eu costumava correr assustado para a cozinha toda vez que o lobisomem aparecia na tela. Quando eu fiz 3 anos, já tinha aprendido a coreografia inteira da música.

Eu acabei ganhando a competição de dança. Fomos ver um show do Michael em Brisbane e fui apresentado a ele no “meet and greet”. Me lembro de estar usando uma roupa personalizada de “Bad” – peguei o cinto da minha mãe e dei umas cinco voltas ao meu redor. Michael ficou impressionado e me perguntou se eu dançava. Eu respondi a ele que sim e então, ele me disse: “Você gostaria de dançar comigo no show de amanhã?”.

Eu não conseguia acreditar. Ele se referia ao grande show da noite seguinte, em Brisbane. Sua ideia era de que eu apareceria no palco para dançar Bad, a última música do show. Ele tinha trazido algumas crianças órfãs, por isso, achou que seria legal que eu também aparecesse no final da apresentação de Bad. No final da música, estávamos todos no palco, Stevie Wonder também estava lá, Michael veio até a mim e disse: “Vamos lá!”. Levei um tempo para entender que aquilo significava algo como “Dê o seu show!”. Então, corri para a frente do palco e joguei o meu chapéu pro público, que, imediatamente, começou a delirar! Quando me virei, Michael já estava dizendo adeus para a multidão, as outras crianças já haviam ido embora e Stevie Wonder estava sendo dirigido aos bastidores.

Quando percebi que Michael estava me chamando, saí correndo. Depois, minha mãe e eu passamos duas horas no hotel com Michael e nos tornamos seus amigos. Ele nos mostrou seus novos clipes para o filme Moonwalker e nós conversamos muito. Nós realmente não pudemos manter contato após isso, mas eu entrei numa companhia de dança – literalmente, no dia seguinte ao show de Michael -, e, dois anos depois, eu fui aos Estados Unidos para conhecer a Disneylândia. Entrei em contato com Michael através de pessoas de sua equipe, e ele se lembrou de mim! Eu e minha família fomos ao estúdio Record One, onde seu próximo álbum, Dangerous, estava sendo mixado. Mostrei a ele alguns dos meus vídeos de dança e ele me perguntou: “Você e a sua família gostariam de ir à Neverland essa noite?”. Claro que todos nós fomos de acordo e acabamos ficando no rancho por duas semanas.

Nossa amizade floresceu. Durante aqueles 14 dias, ele me levava ao seu estúdio de dança, colocava alguma música e nós dançávamos por horas! Nós costumávamos sentar lá e assistir a filmes como As Tartarugas Ninjas. Uma vez, saímos de Neverland no carro de Michael, escutando música no último volume!

Ele ainda me ensinou a fazer o moonwalk. Nós estávamos em seu estúdio de dança, e Michael me mostrou passo por passo. Eu não conseguia dormir a noite toda… A emoção de deslizar para trás ao lado do cara que fez tornou esse passo famoso era indiscritível!

Anos mais tarde, eu e minha mãe nos mudamos para os Estados Unidos para que eu conseguisse realizar o meu sonho de trabalhar com a dança, e Michael nos ajudou muito! Ele me deu a oportunidade de começar bem me colocando num de seus clipes mais famosos, Black Or White. O papel que ele assumiu comigo era de um verdadeiro mentor.

Quando eu tinha 7 anos, ele me disse que eu seria um diretor de cinema, e realmente foi isso que me tornei. Michael criou uma sede de conhecimento em mim. Certa vez, um mini estúdio de gravação apareceu na minha porta, mas o mais legal foi que Michael me impediu de me tornar uma criança mimada. Ele dizia: “Isto é para você, mas eu quero ver você fazer algo com isso. Não é pense que é um dado adquirido ou eu vou levar de volta”.

A última vez que o vi foi em julho de 2008. Eu estava em Las Vegas, trabalhando num programa e ele estava morando lá. Eu, minha esposa, Michael e seus três filhos fizemos um churrasco. Foi a coisa mais normal do mundo. Eu e minha esposa fomos à Whole Foods (* supermercado da cidade) e compramos coisas para cozinhar. Mas quando chegamos lá, ele já tinha improvisado tudo. Eu disse: “Cara, por que você trouxe tanta comida? Nós já temos o suficiente aqui”. Me lembro de ter cozinhado no lado de fora da casa, enquanto Michael estava sentado, embaixo de um guarda-chuva.

Tivemos grandes momentos, ele era uma pessoa tão carinhosa! Acima de tudo, sentirei falta dessas conversas pelo telefone. Eu ainda tenho o telefone que usávamos para conversar. Simplesmente não suporto a ideia de apagar aquelas mensagens…

Michael Jackson mudou o mundo – e, pessoalmente, a minha vida – para sempre. Ele é a razão pela qual eu danço, a razão pela qual eu faço música, e uma das principais razões para eu acreditar na bondade pura da espécie humana. Ele foi meu amigo por mais de 20 anos. Sua música, sua dança, suas palavras de inspiração e encorajamento e seu amor incondicional vão viver dentro de mim eternamente. Vou sentir muita saudade dele, mas sei que agora ele está em paz e encantando os céus com belas músicas e um moonwalk.

- Por Wade RobsonFonte: www.waderobson.com/
http://www.michaeljackson.com/za/node/543308






(Na foto acima, uma pequena nota de um jornal que narrava a amizade de Michael com Wade, que, na época, era o seu “protegido“. A mãe de Wade cita algo que Michael costumava dizer, que, juntos, eles mudariam o mundo)

Wade, atualmente, trabalha como jurado e coreógrafo da série de televisão da Fox, “So You Think You Can Dance?”.


E nos bastidores da turnê de Janet…




Conheci Michael Jackson há quase 20 anos. Eu estava na equipe de produção da turnê Rhytm Nation, da sua irmã Janet e nós estávamos em LA. A maioria de seus irmãos já tinha ido aos shows e eu estava na expectativa de que Michael fosse também, esperava encontrá-lo. Meu chefe, Benny, tinha trabalhado com ele e me garantiu que ele iria. Eu estava tão animada! Eu conheci muitas celebridades, mas aquele era MICHAEL JACKSON! O que mais me lembro é da sua voz, suave e melodiosa, como a de uma criança. Ele foi incrivelmente gentil e nosso encontro foi simples, mas eu fiquei impressionada com sua presença. Parecia que eu estava em outro mundo, realmente. Anos atrás, eu entrei na “Michael Jackson mania”, escutava Thriller toda hora, o vi vencer todos os Grammy daquele ano… Me lembro até de ter escrito no meu diário o quanto eu o amava e era alucinada por sua música. Eu era uma enorme fã!
E agora, ele se foi…
Tanta coisa aconteceu em sua vida desde aquele dia! Ele já havia começado a mudar seu olhar, dias obscuros se aproximavam… Muitas tristezas para um homem tão bom! Também me lembro de que, em 1992, eu estava grata por estar grávida e acabar não trabalhando em sua turnê, como o previsto. “Dangerous” terminou de forma tão abrupta, feia! No entanto, depois disso, Michael ganhou o que pareceu ter sido a sua maior alegria – seus filhos. Meu coração está com eles e com o resto da família de Michael. Sinto por Janet, que sei que deve estar arrasada.
É chocante. E, no entanto, não é surpreendente o fato de que ele não vai envelhecer. Como tantos outros grandes talentos antes dele, Michael estava destinado a passar por essa Terra por um tempo e sair de repente.
Adeus, Michael. Descanse em paz, sabendo que lembraremos sempre do seu verdadeiro dom para a música.

- Por Lisa Dalton

Fonte: http://rockstarcoach.wordpress.com/









Michael & Bubbles – Por Kenny Rogers




Em 1987, o cantor country Kenny Rogers lançou o livro, “Your Friends and Mine”, o qual mostrava a coleção de fotografias que ele próprio tinha tirado de alguns de seus amigos famosos.
Rogers relata a história da idéia por trás da criação e edição do livro. Em uma das fotos, Jackson posa com o chimpanzé Bubbles em seus braços. O cantor aparece vestido de forma casual, com jeans usados e uma camisa simples. Rogers ainda têm várias outras fotos em estilo preto e branco de Jackson sentado no chão e segurando um chapéu perto de seu rosto.
Abaixo, um trecho do livro em que Rogers fala sobre como conheceu Michael e sobre sua impressão agradável da estrela, a quem ele chamaria de amigo:
<BLOCKQUOTE>
A primeira pessoa que convidei para tirar uma foto para o livro foi Michael Jackson. Em 1986, eu participei da 28ª edição do Grammy Awards, em Los Angeles. Naquela noite, meu filho Christopher conheceu Michael nos bastidores. Christopher é seu fã há anos, o ama e o admira muito, e ainda se veste como Michael! [...] Nessa mesma noite, Marianne [esposa de Rogers] me mandou algumas flores juntas com uma imitação da estatueta do Grammy feita de plástico. Sem o conhecimento de ninguém, Christopher pegou a estatueta de plástico, foi até Michael e a entregou a ele.
No dia seguinte, Michael ligou para Christopher, dizendo o quanto ele tinha apreciado aquele ato. Ele também o convidou para ir conhecer os exóticos animais que tinha em sua casa. Então, Marianne e Christopher foram para Encino.
Michael sabia que eu era fotógrafo, ele mencionou que gostaria muito que eu tirasse uma foto dele e Christopher juntos. Liguei para ele no dia seguinte, marcando um encontro, e Michael aceitou vir ao meu estúdio. Durante a primeira sessão de fotos, eu contei ao Michael que estava pensando em fazer um livro de retratos e chamá-lo de “Your Friends and Mine”. Eu tinha ouvido falar sobre o seu chimpanzé Bubbles, e nós fizemos algumas fotos com o chimpanzé. Mais tarde, Michael e eu fizemos outra sessão dele sozinho, a seu pedido.
Esse foi o começo de tudo. Michael Jackson havia concordado em fazer parte do meu livro, e isso, de fato, foi uma bela injeção de ânimo em mim. O Michael é único, como pessoa e como artista. No entanto, muitas vezes, enquanto eu estava perto dele, eu sinceramente não sentia que o conhecia até passamos um dia juntos no estúdio fotográfico. Como expliquei anteriormente, Michael tinha convidado Christopher, meu filho mais novo, a sua casa para ver o seu zoológico. Eles tiveram um bom e divertido tempo juntos e Michael, que tinha ouvido que eu era fotógrafo, pediu a mim que tirasse fotos dele com Christopher no meu estúdio. Eu contei a ele as minhas ideias para este livro e o pedi para que trouxesse seu chimpanzé, Bubbles. Naquele dia, havia quase umas 25 pessoas no estúdio e o chimpanzé foi o centro das atenções. Isso significava que Michael não era o foco e eu acho que aquele relativo anonimato lhe deu uma chance de relaxar um pouco mais. E Bubbles parecia tão humano que chegava a ser assustador! Ele pegava Christopher pela mão, ia até a geladeira e o fazia pegar uma banana para ele! Christopher ficou surpreso – na verdade, todos nós ficamos. No dia dessa sessão de fotos, foi a primeira vez que tive a oportunidade de ficar cara a cara com Michael. Significa muito para mim dizer que não só amo sua música, mas eu também gosto muito dele como pessoa e o considero um amigo”.</BLOCKQUOTE>

***

Michael já havia colaborado com o cantor country para um dueto chamado “Going Back To Alabama”, do álbum de Rogers lançado em 1981, “Share Your Love”, já que Michael era um grande fã de música country. A canção conta uma breve história de um homem forte que têm que lidar com as atribulações da vida – o que também poderia ser a história de Jackson. Os caminhos dos dois artistas também se cruzaram em 1985, na ocasião das edições do projeto “USA for Africa”, com a canção “We Are The World”.

Fonte: http://www.mjjcommunity.com/forum/showthread.php?p=3012886

***




Quando conheci Michael Jackson – Por Tabitha Messick






Na foto, Tabitha, à esquerda, Michael e outra moça

“Também é um prazer conhecê-la…”, Michael Jackson me disse com sua bela voz, quando eu tive a incrível experiência de conhecê-lo, inesperadamente, em Orlando, Flórida, em 2002, quando, por acaso, fomos comer no mesmo restaurante.

Eu estava competindo no concurso juvenil para Miss Estados Unidos, e na última noite, eu e minha família fomos comer numa churrascaria japonesa muito popular, a Benihana (que, posteriormente, Michael me disse que era um dos seus restaurantes favoritos).

Eu e minha família levantamos de nossas cadeiras assim que ouvimos muito tumulto numa mesa próxima. Quando o nosso garçom nos disse que Michael Jackson estava comendo na sala ao lado, eu não consegui acreditar! Deixamos nossas cadeiras e nossa comida para trás e fomos lá ver se era verdade. E era!

Michael foi tão gentil e generoso, às vezes até tímido! Os proprietários fecharam o restaurante para os clientes adicionais e Michael tirou fotos e conversou com as pessoas por mais de duas horas. Todos estavam na fila para conhecê-lo. Ele foi muito paciente e doce apesar de inúmeras pessoas e do caos extremo que tomou conta do lugar. Eu, particularmente, me lembrei das pessoas que estavam gritando e batendo na porta de vidro do restaurante, do lado de fora do restaurante, todos querendo entrar para tirar fotos com Michael.

Eu vi algumas “rainhas da beleza” (garotas do concurso do qual Tabitha estava participando) todas descabeladas em questão de segundos, apenas pelo fato de vê-lo. Todos ao redor dele falavam alto ou gritavam, não só para obter sua atenção, mas também porque ficaram muito impressionados. Senti uma emoção natural, daquelas que sentimos quando o Natal e nosso aniversário está chegando… O Michael irradiava energia e empolgação! Enquanto saía do restaurante para entrar num carro que já o esperava, centenas de fãs se reuniram. Quando o carro partiu, eu vi duas mulheres desmaiando.

Seus filhos, que usavam máscaras do homem aranha, estavam com ele, juntamente com uma comitiva de, aproximadamente, 10 pessoas. Michael falou com todos que estavam no restaurante, e levou horas para conseguir sair do estabelecimento. Ele deu autógrafos e abraços, estava muito relaxado e parecia genuinamente feliz.

Eu não era exatamente uma ENORME fã de Jackson, somente sabia quem ele era e apreciava muito a sua música, até que o conheci (meu primeiro ano na escola) e desde então, tenho o defendido com unhas e dentes! Quando eu o conheci, ele não era nada parecido com o que relatavam pela TV e revistas sensavionalistas. Literalmente, o pandemônio presente no restaurante quando ele apareceu não parecia real! Foi quando pus em perspectiva os lados bom e ruim de ser uma estrela. E Michael ainda conseguiu manter a calma, composto e infantil.

Foi realmente trágico saber de sua morte. Ele é a maior das estrelas que esse mundo já viu!

Eu me sinto incrivelmente honrada por tê-lo conhecido. Há apenas algo sobre ele e estar com ele que é difícil de explicar, é simplesmente … especial.



Fonte: http://www.china.org.cn/culture/Michael_Jackson/2009-07/09/content_18101976.htm





Michael Jackson na Harrods – por John Ferguson






Pelo fotógrafo John Ferguson, 22/11/2007

Quantas chances você tem de bater um papo íntimo com o rei do pop?

Numa típica manhã nublada de maio, eu recebi um telefonema muito animado do meu editor fotográfico do Daily Mirror, Ian Down, que me pediu pra correr para a Harrods (nota da tradutora: Harrods é uma famosa loja de departamentos em Londres), em Knightsbridge. Chegando lá, nós nos encontramos com o dono da loja, Mohammad Al Fayed, que acompanhou pessoalmente a mim e a repórter Fiona Cummins ao seu escritório privado. Eventualmente, iríamos encontrar lá a lenda da música, Michael Jackson, para uma entrevista exclusiva – e que acabou por ser um encontro muito bizarro e inesquecível.

Inicialmente, Fiona e eu fomos deixados numa sala luxuosa de Al Fayed por mais de duas horas, sem termos idéia do que estava acontecendo. Eventualmente, fomos levados para outra sala onde tivemos que esperar mais 45 angustiantes minutos.

Finalmente, Al Fayed apareceu com a notícia de que Michael estaria conosco em 10 minutos. O ar ficou pesado. Depois de tanto tempo de espera, ainda estávamos muito céticos, nos perguntando se aquela entrevista realmente sairia. Estávamos tensos para conhecer aquela estranha figura da história do pop, um homem que raramente dá entrevistas à imprensa. Mas, de repente, a porta se abriu e Michael Jackson entrou, olhando ainda mais confuso do que nós. Eu tenho que admitir, eu quase caí na gargalhada quando nós apertamos as mãos. Todo o cenário era extremamente surreal.

Imediatamente, pedi a Michael para posar com a jornalista e, em seguida, com Al Fayed. Eu tinha feito um pequeno set num canto da sala para tirar mais algumas fotos de Michael, mas um maníaco Al Fayed interveio e me falou que não teria mais fotografias do Michael, “Por favor, deixe-o descansar”, ele vociferava . Michael então começou a circular pela sala, fazendo vários ruídos indistinguíveis. Fizemos algumas perguntas sobre sua viagem a Londres e outras gentilezas, tentando fazer ele se sentir um pouco mais confortável. É verdade, ele é tão criança assim como dizem. Até mesmo Al Fayed tentou fazer algumas piadas para relaxar Michael – cada piada mais sem graça que a outra, mas Michael sorria timidamente.

Com a insistência de Al Fayed para que nenhuma outra foto fosse tirada, eu pensava na possibilidade de tirar uma outra foto de Michael sem causar muito alarde. Então, comecei a me perguntar: “Quantas vezes se tem a oportunidade de conhecer Michael Jackson?”. Decidi aproveitar a oportunidade e tirar mais umas duas ou três fotos. Surpreendentemente, Al Fayed não reagiu, eu consegui as imagens e todos nós apertamos as mãos de novo antes de Michael sair da sala.

Surpreendentemente, as três fotos extras que consegui tirar no último minuto ficaram ótimas! Considerando que eu realmente não tive tempo suficiente para enquadrá-las ao ângulo tão bem quanto queria, fiquei muito entusiasmado com os resultados. Eu me arrisquei e valeu a pena. Michael Jackson é uma lenda viva da música, uma figura ímpar do nosso tempo e, pra mim, como fotógrafo, ele foi uma das figuras mais interessantes que já fotografei.

***

Abaixo, as outras fotos que John tirou



(Mohammad Al Fayed e Michael)









Fonte: http://www.epuk.org/Showcase/754/michael-jackson-at-harrods-john-ferguson-2006

_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 

Relatos de quem conheceu Michael Jackson

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Você sabe quem é Romero Britto e qual a sua ligação com Michael Jackson?
» Michael Jackson: A verdade chocante sobre os Arquivos do FBI
» Curiosidades interessantes da vida de Michael Jackson
» Efeitos do baixo em Michael Jackson
» Jason Pfeiffer volta a dizer que teve caso com Michael Jackson

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
MJMoonwalker :: Reinado :: Arquivos Moonwalker-