MJMoonwalker
Seja Bem vinda(o) ao fórum MJMoonwalker , para visualizar os nossos tópicos faça login ou inscreva-se.
Dispomos de uma grande variedade de material sobre o King of pop, desde Downloads, Notícias até a uma galeria de fotos de todas as épocas da vida do astro.

MJMoonwalker

Se vocês precisarem de sinônimos para as palavras – talento, carisma e genialidade não procurem um dicionário. Apenas digam um nome: Michael Jackson
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 “No estúdio com Michael Jackson"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: “No estúdio com Michael Jackson"   Ter Jun 11, 2013 7:08 am











Brad Sundberg foi diretor técnico de Michael Jackson por quase duas décadas. Recentemente, ele anunciou uma série de seminários a ter lugar em junho deste ano, em Nova York, chamado "No estúdio com Michael Jackson"

Entramos em contato com Brad Sundberg para falar sobre a música de Michael, bem como falar sobre os seminários dele “No estúdio com Michael Jackson". Você pod...e ler as respostas abaixo. Verifique também o final da P & R para obter informações sobre seminários e como conseguir ingressos para eles.

MJJC: O que exatamente é o trabalho de um diretor técnico e o que essa posição implica; como você trabalhou nesse papel em alguns dos álbuns de MJ?

Brad Sundberg: Existe a resposta curta e longa. A resposta curta é "estar pronto para qualquer coisa". A resposta longa seria algo como isto: A minha responsabilidade era ter qualquer estúdio de gravação que trabalhamos, em qualquer lugar do mundo, no padrão de qualidade de Michael Jackson. Eu trabalhei muito de perto com Bruce Swedien (e não apenas nos álbuns de MJ, mas também Quincy Jones, Barbra Streisand, entre outros), e a atenção dele a detalhes não é inferior a de ninguém. Cada microfone, cada ponto de remendo, cada máquina e um dispositivo no estúdio tinha que ser testado e (se possível) calibrado com perfeição. Não era incomum que esse processo sozinho tomasse de 1 a 2 semanas antes da projeção sequer começar. O engraçado é que tão poucas equipes de produção fazem isso, mas é uma parte vital da razão pela qual nossos projetos sooam tão bem.

Além disso, eu estaria envolvido na gravação do dia-a-dia, a criação de microfones, fones de ouvido, reserva de estúdios, mantendo as fitas organizadas, tendo água quente para Michael ara ele prepar os vocais, transcrevendo letras de Michael para o encarte, até mesmo fazendo o café! Com várias equipes de produção trabalham no mesmo projeto, isso é feito por longos dias, mas é muito gratificante. O trabalho duro e dedicação também foram muito gratificantes, que tive o privilégio de ver e ser uma parte de tanta história musical que está sendo criada.

MJJC: Você era um fã de Michael antes de você começar a trabalhar na equipe dele nos dias Capitain EO?

Brad Sundberg: Como uma criança crescendo em Santa Cruz, CA, nos anos 70, eu ouvia muita música: Pink Floyd, Steely Dan, Led Zeppelin, Van Halen, etc, mas eu também amava a música de dança como Abba, The Bee Gees, Gloria Gaynor, Blondie, Donna Summer e, claro, Michael Jackson. Eu me encontrei meio que “dissecando” canções, enquanto lhes ouvia, porque eu queria entender cada som, cada reverberação e efeito. Toquei o álbum "Thriller", até que ficasse arranhado e desgastado, então eu comprei outra cópia. A profundidade do som me surpreendeu, mesmo antes de eu entender a gravação. Sim, eu era um fã.

MJJC: Quais são suas 3 melhores canções favoritas de Michael e por quê?

Sundberg Brad: Essa é uma pergunta difícil, mas aqui vai:

1) Human Nature. Eu sempre amei essa música, e meu amigo Steve Porcaro sabe disso. Gravamos uma sequência para ela chamada de “Someone Put Your Hand Out", mas não chegou a fazer o álbum "Dangerous".

2) Smooth Criminal. A linha de baixo, o groove, o ritmo insano da guitarra David Williams, a seção de trompete de Jerry Hey, Quincy dirigir este quem-é- de-quem de músicos e Michael na frente e no centro... é uma incrível obra de arte! Eu gostaria que você pudesse ter estado lá.

3) Lady In My Life. Ela nunca foi um single, mas que gravação. Falando do ponto de vista técnico, é como uma aula de gravação de 5 minutos. Cada som é puro e simples. Do ponto de vista musical, eu sou um grande fã de Rod Temperton. Eu tenho trabalhado com Rod durante anos, e ele é pura genialidade. Bela canção.

4) Eu sei, você só pediu três, mas estou me sentindo generoso. Streetwalker. Ela é o pequeno motor que podia ser. Essa música me surpreendeu a cada vez que eu a ouvi, mas Quincy não gostou. Lembro-me dirigindo para casa do estúdio de uma noite depois que Michael gravou o vocal principal, e eu estava ouvindo no meu carro, com o teto solar aberto e era três da manhã. Eu quase estraguei os alto-falantes, cantando no topo dos meus pulmões. Pode não ser a composição mais bem trabalhada, mas que groove agarra-o e não o deixá ir.

Não é justo ter uma lista que não inclui Will You Be There, Who Is It, Earth Song, Stranger In Moscow, Billie Jean, Startin 'Something, She’s Out of My Life, Jam, etc .Eu nunca fui bom em seguir as regras.

MJJC: Você disse que Michael lhe encomendou que trouxesse música para praticamente todos os cantos de Neverland. Que tipo de música era tocda no quintal de Neverland? Que tipo de música estava na playlist que Michael criou para as áreas específicas da fazenda?

Sundberg Brad: Eu não quero revelar muito, mas havia uma regra inquebrável em Neverland: Michael não permitiria que a música dele fosser tocada, apesar dos meus protestos. Mas ele era o chefe, por isso o voto dele era mais forte que o meu.

Nos jardins (ao redor do lago, casa principal, casa de hóspedes, etc) tocava uma lista de reprodução personalizada de clássico e favoritos da Disney. No parque de diversões, ele selecionou músicas de Janet, Yes e Joe Satriani. Sério. Mesmo alguns Van Halen e Led Zeppelin foram selecionados em certos brinquedos. Na área de cavalo e zoológico por trás do parque de diversões, fomos com música cowboy mais tradicional. Os trens também tocavam música, principalmente clássica.

MJJC: De todas as músicas que você trabalhou com MJ no estúdio, qual era a sua favorita? Ou qual a música que tinha um processo criativo, desde as
demos
para a canção final, que foi impressionante e apenas o surpreendeu?

Brad Sundberg: Outra pergunta difícil, porque há tantas. Acho que vou com Man In The Mirror. Eu ainda estava aprendendo meu caminho de volta ao estúdio, e foi uma honra ser convidado para sentar e assistir, aprender e ajudar no álbum Bad.

Man in the Mirror era uma canção tão grande, uma grande produção, como todos nós sabíamos, que era imparável. Eu era capaz de ver a faixa inicial a ser gravada, os vários músicos que traziam os talentos dele, as camadas de harmonias vocais, o coro Andre Crouch, e, finalmente, os vocais guias com Siedah e Michael. Havia muito talento em Westlake Estúdio D, durante esse tempo, que foi alucinante. Bruce e Michael tocavam essa música em cheio, e eu quero dizer, em volume total (118 db) para qualquer convidado que passasse por aqui. As pessoas estariam sem palavras, às vezes, com lágrimas, quando a nota final tocava.

MJJC: Você pode nos contar em detalhes exatamente como era o processo de demos? O que MJ dizia a você depois de tocar as ideias dele e quão envolvidos estavam o resto de vocês além de MJ; vocês acabavam fazendo tudo o que ele dizia ou era uma colaboração, com ele ouvindo suas ideias c com os arranjos?

Brad Sundberg: Não havia nenhuma maneira regular ou exata que as demos vieram a ser, mas não era incomum que Michael pedisse a um de nós para trabalhar com ele depois de uma sessão em uma nova canção.

Traríamos um tecladista / programador (John Barnes, Michael Boddicker, Larry Williams, Rhett Lawrence, Brad Buxer) e Michael cantava o groove e faixas ritmícas para nós. O programador iria traduzir o pedido de Michael na bateria eletrônica. A linha de baixo e melodia seriam adicionadas. Geralmente nós iriamos gravar um vocal zero, e algumas harmonias vocais, apenas para referência. Todo o processo pode demorar 3 ou 4 horas, e a canção nascia. Era muito colaborativo, e muitas ideias foram aceitas e registradas. Nem toda ideia foi mantida e utilizada, mas era muito mais um esforço de grupo de chutar em torno de ideias e experimentá-las.

MJJC: Se você pudesse descrever o aspecto mais difícil de trabalhar como parte da equipe de produção de um álbum de Michael Jackson, o que seria?

Brad Sundberg: DORMIR! As horas foram difíceis, pois eu normalmente estaria no estúdio às 2 horas antes de qualquer outra pessoa, e muitas vezes de 2 a 3 horas depois que todos saíam. Meu dia começava normalmente em torno de 9 a 10 horas da manhã, e muitas vezes, durou até às 2 horas da manhã, e eu vivia a cerca de 40 minutos do estúdio. Isso não é ruim por alguns dias, mas experimente por 10 a 14 meses. Ainda assim, eu sinceramente adorava ir para o trabalho. Uma vez no estúdio, as equipes eram ótimas para trabalhar. Boa comida, belos estúdios, boa música, talento incrível – Eu não tenho muito a reclamar.

MJJC: Que projeto durante o seu tempo trabalhando com Michael, você diria que tem impactado a sua carreira mais?

Brad Sundberg: Dangerous. Foi um momento de transição para mim. Eu estava crando minha instalação de negócios de BSUN Media Systems (que eu realmente gosto), e trabalhando no estúdio ao mesmo tempo. Quincy não fazia parte do projeto, o que parecia estranho. A indústria da música e o que o público estava ouvindo estava mudando, por isso Michael usou três equipes de produção no projeto, o que foi brilhante.

No nível técnico, nós estávamos fazendo e quebrando todas as regras com mais faixas, mais estúdios, misturas maiores, etc. Eu acho que a canção Jam era algo como 160 faixas em máquinas de 4 fitas, que teve de ser misturado em 2 consoles em 2 estúdios ao mesmo tempo. Era loucura, mas nós fizemos isso acontecer. Acho que eu diria que impactou minha carreira (dentro e fora do estúdio), em termos de não ter medo de tentar qualquer coisa, e empurrar para a perfeição o tempo todo.


MJJC: Ao longo dos anos, trabalhando com os álbuns de Bad a Blood on the Dance
Floor, como é que MJ amadureceu ou mudou? Como ele melhorou?

Brad Sundberg: Durante Captain Eo ele era ainda quase uma criança, e apenas 5 anos mais velho que eu. Eu posso honestamente dizer que o humor dele, o seu nível de confiança, o compromisso com a excelência, e o amor em realizar e criar não alterou ou diminuiu, se alguma coisa não floresceu com a idade. Eu acho que nos últimos álbuns ele começou a experimentar com músicas e sons como Morphine e Ghosts. Temas mais sombrios, mas grandes grooves.

MJJC: Como MJ trabalhava nas etapas de seleção do álbum, como ele escolhia as músicas para os álbuns dele? Você tem alguma informação privilegiada sobre o que e por que as músicas que conhecemos foram escolhidas e não as que não foram? E existem bons exemplos de músicas que quase fizeram o corte final em qualquer álbum, que nunca ouvimos, que você pensou que poderia ter sido um super hit hoje?

Brad Sundberg: A placa de cortiça infame! Em cada álbum que me lembro, ele teria uma placa de cortiça em um cavalete na sua sala / escritório. Cada título de canção era escrita em um cartão de tamanho 5 x 3, e que seria pregado na placa, em ordem da mais forte para a mais fraca. Eles poderriam se movimentar no tabuleiro quando peças novas fossem adicionadas, novas músicas gravadas, etc. Geralmente, dependendo do projeto, erai Quincy / Michael / Bruce conduzido. Uma vez que mais ou menos 15 músicas eram escolhidas, a placa era usada mais para a canção de ordem no álbum.

Quanto às músicas que quase fizeram álbum: minhas favoritass pessoais foram Streetwalker, Someone Put Your Hand Out, and Monkey Business.

MJJC: Você se lembra de alguma das músicas de Michael que permanecem inéditas até hoje e, se sim, quais são suas favoritos? Você pode nos contar um pouco sobre essas músicas inéditas?

Brad Sundberg: Sinto muito – Eu sei de muitas músicas, mas eu vou passar essa.

MJJC: Quão bom era Michael em operar os botões e outras coisas no estúdio, ele entrou mais nisso depois que você trabalhou com ele durante alguns anos?

Brad Sundberg: Michael não era técnico de jeito nenhum. Zero! Ele podia deslocar um fader de vez em quando, mas ele não estava se adaptando. EQs ou configurações de reverberação. Dito isso, eu acho que o estúdio era tão confortável para ele, quase como ir para casa. Era muito seguro e um lugar que ele podia trabalhar, rir e ser ele mesmo.

MJJC: Quantos instrumentos MJ realmente podia tocar? Quais instrumentos eram e quão bom era ele? (Honestamente).

Sundberg Brad: Ele poderia tocar melodias em um teclado, mas eu não o chamaria de um grande tecladista. Tenha em mente que quando você tem Greg Phillinganes e Randy Kerber no speed-dial, você realmente não precisa de muito mais. Antes do meu tempo ele tocou a percussão de som de garrafas em "Don’t Stop". O instrumento de Michael era a voz dele – nós tinhamos muito talento para lidar com tudo o resto.

MJJC: No que sua preparação para turnê turnês de MJ consistia?

Brad Sundberg: A preparação para a turnê era o tempo após o álbum ser lançado (ou está em impressão), e a banda estava em ensaios. Essencialmente tíanhamos que retrabalhar as músicas para torná-las mais fáceis para Michael cantar e executá-las show após show. Isso é algo que eu entro em em detalhes consideráveis em discussões nos meus seminários.

MJJC: Conte-nos mais sobre "Keep the Faith" e como você teve de desfazer-se da versão original e regravar uma nova versão de uma sessão a noite toda?

Brad Sundberg: Desculpe eu preciso passar esse para agora, pois eu vou falar disso no seminário. Não posso revelar muito!

MJJC: Gostaríamos muito de ouvir uma história baseada na experiência pessoal de trabalhar com MJ. Qual é um de suas mais memoráveis?

Sundberg Brad: Ele era extremamente curioso, e amava as minhas filhas. Quando minha filha Amanda, era apenas uma criança, minha esposa, Debbie, iria trazê-la para o estúdio (durante Dangerous) para que pudéssemos ver uns aos outros de vez em quando. Michael estaria no chão com Amanda, no cobertor dela, brincando com brinquedos e personagens. Ele dizia: "Ela está no próprio mundinho dela não é?"

Outra vez nós entregamos um dos trens para o rancho. Eu tinha vindo a instalar um sistema de música enorme no trem, por isso estaria pronto quando Michael viu pela primeira vez. Ele fiocu mais que animado, rindo e sorrindo enquanto o ligávamos. Deb e Amanda estavam na fazenda naquele dia, e ele segurou a mão de Amanda quando o trem fez o inaugural círculo dele ao redor da fazenda. Ele não conseguia parar de sorrir.

MJJC: Qual é a melhor recordação que você tem de Michael (como um ser humano, não como um artista?)

Brad Sundberg: Make-A-Wish Foundation. Quando Neverland estava pronta para os convidados, gostaríamos de começar a ver os convidados de todo o mundo, que queria passar mais tempo com Michael. Muitos desses jovens convidados eram parte do programa Make-A-Wish, e eles estavam gravemente doentes. Para Michael levá-los em uma excursão de um rancho, deixá-los tocar uma girafa ou passeear na roda-gigante vai muito além do que muitas pessoas estão dispostas a fazer. Isso era o último desejo deles, e ele fazia isso acontecer. Lembro-me dos rostos deles, dos pais agradecidos, e sabendo que haveria dor imensurável no futuro deles. Michael estava dando o tempo dele, que era um enorme presente.

MJJC: Será que Michael pregou peças em você? Alguma história engraçada que você possa nos dizer?

Brad Sundberg: Não é realmente uma peça, mas é uma memória engraçada que às vezes partilho. Tenho zero habilidades de dança, mas eu amo a música de dança. Era muito comum para nós estar trabalhando em uma música como The Way You Make Me Feel, Jam, Bad, Streetwalker, etc, e eu estaria fazendo a head-bob com a batida. Michael exclamaria com uma gargalhada, dizendo que "Brad está groovin!" Eu não poderia aguentar... a música era tão forte! Essa foi parte da razão pela qual ele começou a me chamar de "Really Really Brad". Eu amei a provocação, porque ele era muito bem-humorado e alegre.

MJJC: Em seu livro de memórias você diz: "Eu poderia escrever páginas e páginas de simples atos de bondade que eu vi em primeira mão". Você consegue se lembrar de alguns? Sempre aquece os corações dos fãs de ouvir essas histórias.

Sundberg Brad: Eu já mencionei as visitas Make-A-Wish no rancho, mas também tivemos visitas no estúdio dos amigos e fãs. Tivemos alguns fãs do lado de fora do estúdio em Nova York durante a HIStory, e ele os trouxelos para dentro para um passeio e alguns autógrafos. Durante a gravação do coro infantil, em Nova York, ele me teve vestido de Papai Noel e nós demos a todas elas presentes de Natal. Quando um de nossos engenheiros assistente estava indo para uma cirurgia de grande porte, tivemos uma enorme jantar em família, no estúdio em honra dele, e Michael o cpobriu com presentes e filmes. Mas, novamente, ele fez essas coisas em pessoa, o que tornou ainda mais significativo.

MJJC: Como Michael mudou ao longo dos anos, de acordo com a sua impressão? (Eu não quero dizer fisicamente, ou as supostas "excentricidades" dele. Quero dizer em sua comunicação pessoal com ele que tipo de mudanças na persona dele você sentiu?)

Sundberg Brad: Eu não era o melhor amigo dele, mas eu gosto de pensar que eu era um amigo de confiança. Durante esses anos, eu não vi nenhuma mudança no caráter dele, no amor infantil dele pela música, filmes, fantasia, arquitetura, pinturas, jogos, risadas, natureza, etc. Eu não me lembro de uma única vez de vê-lo andar no estúdio ou vê-lo na fazenda ou no palco do Radio City Music Hall, onde ele não me cumprimentou com um abraço. O Michael que eu conhecia não se alterou, mesmo que o mundo tenha.

MJJC: O que inspirou você a se apresentar e partilhar as suas experiências de trabalho com Michael, com os fãs dele?

Brad Sundberg: Depois que Michael morreu, eu li um artigo em uma revista sobre o quão louco era trabalhar com Michael: chimpanzés e ossos do Homem-Elefante e cobras e assim por diante. Eu não conhecia o autor, nem ele nunca foi para o estúdio ou o rancho. Eram sempre fontes não nomeadas e vômito de tablóide. Eu cansei de imprensa e pessoas que queriam fazer um dinheirinho rápido dizendo e escrevendo o que quisessem, sem nenhum pingo de verdade por trás das palavras delas. Eu escrevi alguns artigos sobre os meus anos com Michael, e eles foram bem recebidos.

Um grupo de fãs em Paris se aproximou de mim e me pediu para montar um seminário e realmente explorar nossos anos no estúdio e no rancho. Comecei a escrever um livro (atualmente em obras), que tenta recapitular a história que levou 18 anos para viver. Sendo totalmente honesto, eu quero tentar documentar como era trabalhar com um dos artistas mais originais da história moderna. Sem especulação, sem teorias profundas, apenas uma introdução para alguém que eu tinha um grande respeito e considerava um amigo. Sim, pode ser para os fãs, mas também é para os meus filhos, e talvez para os filhos de Michael. Eu quero que eles saibam o que se seria de estar lá e fazer parte de uma jornada incrível.

MJJC: O que os fãs podem esperar do seu seminário "No estúdio com Michael Jackson"? Quais serão os destaques dos seminários em Nova York e em Paris?

Sundberg Brad: Eu estou esperando que as respostas acima lhe dê uma pista. Eu fazia parte de algo muito especial. Eu não era especial, eu era apenas parte de uma equipe incrível, em um momento incrível. Não há dois seminários que são exatamente iguais. Novas memórias surgem, novas histórias são contadas. Espero que quando alguém deixar a sala após o seminário, eles se sintam como se eu os tivesse apresentado a um amigo.

MJJC: Michael tem fãs em todos os lugares e, infelizmente, apesar do desejo de participar, muitos fãs não poderão ir ao seminário por causa da distância, há planos para compartilhar o conteúdo em um livro ou fazer outros seminários em diferentes localidades ao redor do mundo?

Brad Sundberg: Sim, sim! O livro está em obras, mas a coisa louca é que os seminários realmente ajudam a trazer essas lembranças de volta ao foco, então eu quero fazer um pouco mais antes que o livro esteja terminado. Estamos oferecendo seminários em Nova York e Paris este ano, com grupos na Alemanha, Noruega e Reino Unido também expressando grande interesse. Espero ter um muito legal em Los Angeles, em janeiro, em Westlake, onde tudo começou.

MJJC: Você tem alguma coisa que você gostaria de dizer aos membros do MJJCommunity ou fãs de Michael Jackson em geral?

Brad Sundberg: Michael realmente amava os fãs dele. Não há show de tributo ou seminário ou filme que possa substituir o talento que nasceu com ele. Eu fui abençoado por tê-lo conhecido, e valorizo as memórias de vê-lo praticar um moonwalk circular no estúdio, ou cantando escalas com Seth, ou observá-lo a partir das asas no palco na frente de 100.000 fãs gritando. Eu posso ouvir o s riso dele, como se estivesse sentado em frente a mim na sala . Ele era um profissional, um perfeccionista, um artista, um cantor, um dançarino, um pai e um amigo. Eu sinto falta dele, e eu sei que vocês também. Obrigado por me deixar compartilhar algumas memórias com vocês.

MJJC

_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: Re: “No estúdio com Michael Jackson"   Ter Jun 11, 2013 7:14 am








O encontro com Michael Jackson
"Michael estava ...trabalhando em Captain EO para a Disneyland e Epcot Center. Ele estava de volta ao estúdio. Eu gostaria de lembrar do nosso primeiro encontro, mas foi provavelmente apenas passando um pelo outro, no corredor. Ele era sempre valoroso, ainda tímido." Com o tempo, iria conversar, mas levou tempo para construir a confiança."

O apelido de Sundberg
"No início de 1986 a equipe mudou-se para Westlake Studio D em Hollywood, para gravar o álbum Bad, e convidou-me a participar. Eu trabalhei em outras sessões durante o dia, mas à noite, fui convidado a sentar-me e aprender. Eventualmente, eu trabalhei da minha maneira até a confiança ser solidificada. Foi nessa época que Michael me apelidou de "Realmente muito Brad," uma referência ao refrão, "Bad, Bad, muito muito mau."Olhem os créditos do álbum, estão lá."

Michael e o Dia da Família
"Durante o making of do álbum Bad, as sextas-feiras rapidamente se tornaram conhecidas como o "dia da família." Ele teria seus dois chefs, carinhosamente conhecidos como Irmãos Slam Dunk, eles preparavam um jantar grande para a equipe, músicos e todos os membros da família que poderiam estar ao redor. Desde que eu estava trabalhando, às vezes 80 horas por semana, não era incomum para Deb (minha esposa) vir jantar conosco. Michael amava essas confraternizações familiares.

Michael e as crianças
Em projetos mais tarde, eu iria trazer minhas filhas, a quem ele amava e com quem iria brincar. Há um momento na minha lembrança quando Deb trouxe minha filha Amanda, que era apenas um bebê na época, para o estúdio para a tarde. Ela criou uma esteira de jogo e trouxe alguns brinquedos, e Michael sentou-se e brincou com ela por um tempo. Ele olhou para Deb e disse: "Este é o seu próprio mundinho, não é?"

Michael e o chimpanzé
"Não era raro as celebridades e VIPs fazerem uma visita no estúdio, como Nancy Reagan ou a princesa Stephanie de Mônaco. Os chimpanzés comuns eram convidados no estúdio, como uma cobra gigante ..."

Assistindo Michael escrever canções
Eu vi como ele escrevia muitas canções, e o processo é surpreendente. Eu lhe perguntei de onde elas vinham, e ele disse que eram presentes de Deus. Ele podia ouvir a música inteira na cabeça, antes que pudéssemos chegar nas fitas nas máquinas. Ele, às vezes, cantava a bateria, baixo, percussão, teclados, etc, e mais tarde trazia os músicos para substituir suas faixas
demo.

A infância de Michael
Eu me lembro dele me contando sobre as mulheres adultas atirando-se contra ele, quando ele tinha apenas 9 ou 10 anos de idade. Uma história que eu nunca vou esquecer foi ele contar que voava com seu pai e irmãos por meio de uma tempestade com relâmpagos, na noite. O avião estava balançando, estava piscando, e ele começou a chorar de medo. Seu pai ignorou, envergonhado. Uma comissária de bordo sentou-se com ele até que o avião superasse a tempestade.Ao ouvi-lo contar a história, com lágrimas nos olhos, deu um vislumbre de sua vida.

Trabalhando em Neverland
''Em torno de 1991, ele me pediu para visitar uma fazenda que tinha comprado, e projetar um sistema de som de um carrossel. Se tratava do rancho Neverland, em Santa Ynez, Califórnia. Houve a construção em toda parte, e o parque de diversões estava nos estágios iniciais da instalação.''

Ao longo dos próximos anos, Michael me pediu para construir sistema após o sistema, colocando música em carrinhos de choque, no zoológico, em dois trens, em todo o parque de diversões, o lago de barco, as estações de trem e, eventualmente, dentro da casa, e dentro de seu quarto e banheiro. Deb adora contar dos tempos em que Michael chamaria às 2 da manhã (o horário de sono nunca foi normal) para falar comigo sobre uma nova atração que tinha chegado em Neverland, e se eu iria colocar música nele.

Eu ainda tenho uma velha fita cassete dele me agradecendo por um dos sistemas que havia construído.''

http://www.cepro.com/article/integrator_on_working_for_michael_jackson/

_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: Re: “No estúdio com Michael Jackson"   Ter Jun 11, 2013 7:16 am


Na foto com Michael ~ Brad Sundberg, diretor técnico e sua família e Bruce Swedien, engenheiro musical de Michael ~ Brad Sundberg lembra um de seus momentos pessoais mais memoráveis com Michael ~

Durante o making of do álbum Bad, as sextas-feiras rapidamente se tornaram conhecidas como o "dia da família." Ele teria seus dois chefs, carinhosamente conhecidos como Irmãos Slam Dunk, eles preparavam um jantar grande para a equipe, músicos e todos os membros da família que poderiam estar ao redor. Desde que eu estava trabalhando, às vezes 80 horas por semana, não era incomum para Deb (minha esposa) vir jantar conosco. Michael amava essas confraternizações familiares.

Ele era extremamente curioso, e amava as minhas filhas. Quando minha filha Amanda, era apenas uma criança, minha esposa, Debbie, iria trazê-la para o estúdio (durante Dangerous) para que pudéssemos ver uns aos outros de vez em quando. Michael estaria no chão com Amanda, no cobertor dela, brincando com brinquedos e personagens. Ele dizia: "Ela está no próprio mundinho dela não é?"

Outra vez nós entregamos um dos trens para o rancho. Eu tinha vindo a instalar um sistema de música enorme no trem, por isso estaria pronto quando Michael viu pela primeira vez. Ele fiocu mais que animado, rindo e sorrindo enquanto o ligávamos. Deb e Amanda estavam na fazenda naquele dia, e ele segurou a mão de Amanda quando o trem fez o inaugural círculo dele ao redor da fazenda. Ele não conseguia parar de sorrir.






_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: Re: “No estúdio com Michael Jackson"   Ter Jun 11, 2013 7:28 am





NEVERLAND ~ Brad Sundberg ~ "Dê uma boa olhada nesta foto. Não. .. não a estátua ... mais para trás, é logo ali. Vê a casa de pássaros? [ direita superior ] ~ Deixe-me dizer-lhe sobre as casas de pássaros em Neverland. Los Olivos é conhecida por uma grande quantidade de pássaros cantores, e Michael adorava o som de pássaros cantando e cantando. Ele me pediu para vir com uma solução onde ele e seus convidados pudessem ouvir o canto dos pássaros nas árvores. Nós conseguimos um CD personalizado de pássaros (obrigado Matt Forger) e casas de pássaros projetadas para esconder alto-falantes à prova de intempéries. Espalhamos as casas por todo o rancho, com os amplificadores necessários, leitores de CD, etc. O resultado foi surpreendente. Os hóspedes estavam constantemente olhando para os carvalhos gigantes, tentando encontrar os pássaros cantando.

https://www.facebook.com/inthestudiowithmichaeljackson

_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: Re: “No estúdio com Michael Jackson"   Ter Jun 11, 2013 7:37 am


_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Anoka Rosa Jackson
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 3968
Data de inscrição : 11/10/2010
Idade : 58
Localização : Lauro de Freitas - Bahia

MensagemAssunto: Re: “No estúdio com Michael Jackson"   Ter Jun 11, 2013 7:41 am



The Poultry Press,jornal sobre criação de galinhas e outros assuntos sobre aves em geral. Tradicional durante as gravações do álbum BAD.

_________________

Minha homenagem àquele que me deu a vida!
Pai, I love you more and forever!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: “No estúdio com Michael Jackson"   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

“No estúdio com Michael Jackson"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Michael Jackson está morto?
» Michael Jackson: A verdade chocante sobre os Arquivos do FBI
» Jason Pfeiffer volta a dizer que teve caso com Michael Jackson
» Mãe de Michael Jackson: «O meu filho não era molestador»
» Lindsay Lohan cumprirá pena como faxineira de necrotério onde ficou Michael Jackson

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
MJMoonwalker :: Reinado :: Arquivos Moonwalker-